domingo, 31 de dezembro de 2006

[ 18:16 ]

Retrospectiva: em 2006, assisti cerca de 211 filmes e 346 episódios de séries de televisão, li 27 livros e 263 revistas de quadrinhos, visitei 18 exposições de arte, publiquei 14 artigos, recebi meu green card, mudei-me para os EUA, arranjei um emprego e me instalei num novo apartamento. #

[ 17:32 ]

Balanço de dezembro (mês de reorganização): assisti 6 filmes e 36 episódios de séries de tv (Heroes e House); li só 1 livro; aluguei um apartamento e me mudei para lá. #

[ 17:23 ]

Antes de sair da casa da Jade, ainda consegui terminar de assistir os episódios restantes de House (terceira temporada, dez episódios) e de Heroes (primeira temporada, dois episódios), e agora estou em dia com as séries. E várias pessoas me enviaram emails sugerindo que eu assistisse Dexter, série sobre um caçador de serial killers. Com tantas recomendações, entrou na minha wish list. #

[ 13:05 ]

Ontem fui assistir minha primeira partida da NFL num estádio, Redskins contra Giants, convidado gentilmente pelo Jeff. O time local, como já é habitual, perdeu (34 x 28), mas mesmo assim foi um bom jogo, com oito touchdowns (quatro para cada lado) e dois field goals (que garantiram a vitória dos Giants). Noite fria no estádio aberto (em torno dos 5ºC). Torcidas animadas mas muito civilizadas dos dois lados (nada parecido com a deselegância e, muitas vezes, a selvageria das torcidas de futebol no Brasil). Na volta, no metrô lotado, torcedores de vermelho e azul confraternizavam, contavam causos e jogavam word games. #

sábado, 30 de dezembro de 2006

[ 14:40 ]

Li Uma Vida nos Cinemas (Movimento, 1999), do Eron Duarte Fagundes. Muitas menções a filmes obscuros que assisti na década de oitenta e a figuras conhecidas do circuito cineclubista de Porto Alegre (incluindo a mim mesmo). O Eron sempre gostou mais que eu das narrativas cinematográficas herméticas e sempre foi mais paciente que eu com tropeços de linguagem ou pobreza de produção, então nossas listas de filmes preferidos certamente seriam muito diferentes, mas como durante alguns anos freqüentamos basicamente os mesmos ciclos, retrospectivas e festivais de cinema as referências culturais são as mesmas. Ler Uma Vida nos Cinemas me fez revisitar seções da minha memória onde eu já não ia há alguns anos. #

sexta-feira, 29 de dezembro de 2006

[ 17:56 ]

Assisti em dvd Palindromes (EUA, 2004), do Todd Solondz. Mais estranho que os filmes habituais do diretor, não só pela estrutura vagamente palindrômica (terminando aproximadamente onde começou) mas principalmente por ter varias atrizes interpretando o mesmo personagem em diferentes episódios (truque usado de forma não planejada pelo Luis Buñuel em Cet Obscur Objet du Désir, mas aqui multiplicado de forma deliberada). Com tantos arabescos, acaba não ficando muito claro qual o tom da narrativa: critica sarcástica ou defesa sincera do movimento contra o aborto? Os três filmes anteriores do Solondz (Welcome to the Dollhouse, Happiness e Storytelling) me agradaram muito mais. #

[ 17:14 ]

O telefone já foi instalado, a tv a cabo esta prometida para amanha, mas ainda continuo sem internet no apartamento. Enquanto isto, minha pilha de emails para responder cresce em ritmo assustador. Espero que na próxima semana este problema já esteja resolvido e eu possa voltar à minha programação normal. #

quarta-feira, 27 de dezembro de 2006

[ 21:45 ]

Ontem fui ao cinema com a Jade e o Jeff, e assistimos Blood Diamond (EUA, 2006), do Edward Zwick (o mesmo diretor de Legends of the Fall e The Last Samurai). Boa história (sobre a guerra civil em Sierra Leoa, movida a escravidão e tráfico de diamantes), roteiro bem elaborado (algumas cenas são um pouco longas demais mas não chegam a prejudicar gravemente o ritmo da narrativa) e boas interpretações (Leonardo DiCaprio surpreendentemente em boa atuação, a sempre lindinha Jennifer Connely, e o big black guy Djimon Hounsou). Uma das coisas que mais gostei no filme foi a coerência entre a motivação de cada personagem e o desenvolvimento da trama, o que faz a história avançar de maneira natural e sem situações forçadas. #

terça-feira, 26 de dezembro de 2006

[ 17:23 ]

Computadores no cinema, nem sempre espelhando a realidade: Usability in the Movies - Top 10 Bloopers. #

segunda-feira, 25 de dezembro de 2006

[ 17:02 ]

Reativei minha conta na Netflix. Ainda tinha uns filmes na lista, e alguns já chegaram. Eulogy (EUA, 2004), do Michael Clancy, é mais uma comédia sobre famílias desfuncionais, com elenco competente (Zooey Deschanel, Hank Azaria, Famke Janssen, Kelly Preston, Ray Romano, Debra Winger) e roteiro bizarro (do próprio Michael Clancy). Não é um grande filme mas serve como diversão descompromissada. What the #$*! Do We (K)now!? (EUA, 2004), de Arntz, Chasse e Vicente, é um docudrama pretensioso que mistifica assuntos interessantes como física quântica e neuroquímica para chegar a conclusões paulocoelhescas. Muito fraco. Game Over: Kasparov and the Machine (Canada-GB, 2003), do Vikram Jayanti, é um documentário sobre o embate enxadrístico entre o melhor jogador de todos os tempos, Kasparov, e o melhor computador de todos os tempos, Deep Blue. A máquina da IBM saiu vencedora, mas o grande mestre nunca ficou completamente convencido que o computador não teve ajuda de humanos (principalmente na segunda partida, radicalmente diferente, e muito superior, à primeira). O documentário sugere que realmente tenha ocorrido algo não muito honesto durante o match, não só ao ressaltar fatos suspeitos como os logs do computador que nunca foram apresentados ou a precoce aposentadoria do Deep Blue mas também ao fazer constantes paralelos com Le Joueur d'échecs, filme mudo sobre uma máquina de jogar xadrez que na verdade tinha um sujeito escondido lá dentro fazendo as jogadas. No final, como já é habitual, foi a grande corporação que ficou com a fama e com a fortuna. #

sábado, 23 de dezembro de 2006

[ 21:42 ]

Fotos bacanas: Top Ten Photos of 2006 From National Geographic News. #

[ 21:35 ]

Sábado foi dia de limpeza. O apartamento nem estava muito sujo, mas mesmo assim equipei-me com aspirador de pó (Dirt Devil, que comprei quando morava em Miami Beach) e desinfetante (Lysol All Purpose Cleaner, poderoso e cheirosinho) e sai limpando tudo que encontrava pela frente. Aproveitei também para inaugurar a máquina de lavar louça e a máquina de lavar roupa. A próxima etapa agora é começar a desempacotar os livros. #

sexta-feira, 22 de dezembro de 2006

[ 12:36 ]

Terça-feira: eu me mudo para um apartamento em frente ao Zoo. Sexta-feira: um leopardo escapa da sua jaula no Zoo. #

quinta-feira, 21 de dezembro de 2006

[ 20:06 ]

O site onde estou trabalhando ainda não foi lançado mas a notícia já começa a se espalhar: The Revolution Begins: A Sneak Peak At Revolution Health's Beta Website. #

[ 19:56 ]

O meu novo apartamento é muito bem localizado, em Cleveland Park, na região noroeste de Washington, em frente ao National Zoological Park, a duas estações de metrô do meu escritório. O edifício foi construído em 1923, com apartamentos grandes (este foi o maior de todos que vi na minha busca) e corredores largos (que lembram um pouco os corredores do hotel de The Shining). Já tenho geladeira, freezer, microondas, dishwasher, ar condicionado, máquinas de lavar e secar roupa, mas ainda não algumas necessidades básicas como internet ou tv a cabo. Juntando a burocracia normal para este tipo de coisa com a letargia natural do período natalino, imagino que ainda tenha que esperar um par de semanas ter estes problemas resolvidos. Agora estou num Starbucks, usando o meu fiel iBook G4 e uma conexão wireless paga. Voltarei a blogar em breve de algum outro ponto da cidade. #

quarta-feira, 20 de dezembro de 2006

[ 19:43 ]

A mudança correu razoavelmente bem. Os meus modestos pertences foram transportados para o novo apartamento, caixas e mais caixas, a maioria contendo livros, tudo aguardando uma organização geral. Eu tinha mais coisas que me lembrava, e se não fosse a inestimável ajuda dos amigos (Jeff, Jade e Ted, thanks!) não sei como conseguiria fazer tudo num só dia (especialmente porque o elevador de carga do edifício ficava muito longe do meu apartamento, o equivalente a um quarteirão de distância). A nota negativa do dia foi que me lesionei ao cair sentado dentro do caminhão enquanto carregava duas caixas com livros, e acho que quebrei novamente o cóccix (a primeira vez foi em Portugal, no início dos anos noventa, lutando judô). Não chega uma dor lancinante mas é um incômodo que me vai fazer companhia pelas próximas semanas. Para comemorar a missão cumprida, fomos todos jantar no Fogo de Chão e nos entupimos de iguarias tupiniquins como churrasco (excelente picanha), pão de queijo, caipirinha e guaraná. #

segunda-feira, 18 de dezembro de 2006

[ 23:49 ]

Hoje assinei o contrato de aluguel e peguei as chaves do meu novo apartamento. Amanhã me mudo de Alexandria para Washington. Poucos quilômetros de distância entre um lugar e outro, mas saio da Virginia (VA) para me instalar no District of Columbia (DC). #

[ 23:45 ]

Pequena surpresa hoje no escritório. No meio da tarde, toca uma sirene e os alto-falantes avisam: "há um incêndio no edifício, por favor saiam calmamente usando as escadas". Sem tumulto, centenas de funcionários saíram dos oito andares do prédio e se espalharam pela rua. Quinze minutos depois, vieram avisar que tinha sido somente um teste e que não havia incêndio algum. #

domingo, 17 de dezembro de 2006

[ 22:03 ]

Esta manhã fui jogar golfe com a Jade e o Jeff. Ou quase. Era um driving range (o Top Golf, em Kingstowne), onde o que vale é somente aquela primeira tacada do jogo, com pontuação variando conforme o local onde a bola cai. Descobri rapidamente que não é fácil acertar a bolinha e que é ainda mais difícil dar uma tacada com força e direção ao mesmo tempo. Meus esforços foram tão inúteis que, frustrado, terminei o jogo atirando as bolas com a mão (e conseguindo resultados bem melhores que com o taco). O exercício ao menos serviu para abrir o apetite, que foi saciado logo em seguida com um belo cheeseburger (na Gordon Biersch Brewery, em Washington). #

[ 09:38 ]

Em dezembro, eu ainda não tinha assistido filme algum. Acho que há mais de vinte anos eu não passava quinze dias sem cinema, vhs ou dvd, possivelmente desde 1982. Ontem quebrei o jejum vendo novamente, em dvd, Pirates of the Caribbean: Dead Man's Chest (EUA, 2006), do Gore Verbinski. Só agora percebi a quantidade de referências a 20000 Leagues Under the Sea (aquele da década de cinqüenta, dirigido pelo Richard Fleischer): o polvo gigante, o capitão tocando órgão, os nativos correndo atrás do Jack Sparrow... #

sábado, 16 de dezembro de 2006

[ 16:28 ]

Som do dia: Play, álbum de 1990, da Blue Note, com o Chick Corea e o Bobby McFerrin num dueto bacana de jazz piano e scat singing. #

[ 16:23 ]

Ontem terminou oficialmente a grande correria no escritório, e tudo indica que daqui para frente as coisas vão ficar um pouco mais calmas. Para comemorar, fomos todos desfrutar de uma happy hour no Five, um dos muitos clubes noturnos da vizinhança. #

quarta-feira, 13 de dezembro de 2006

[ 21:55 ]

Chegou pelo correio o livro Uma Vida nos Cinemas (Movimento, 1999), gentilmente autografado e enviado pelo autor, o Eron Duarte Fagundes. Lá pelo meio dos anos oitenta, quando eu morava em Porto Alegre, encontrava freqüentemente o Eron em sessões tardias no cine Bristol, em ciclos promovidos pelo Clube de Cinema e em retrospectivas na Casa de Cultura Mário Quintana. Dois cinéfilos, mas naquela época com gostos muito diferentes. Ele, apreciador dos filmes lentos e herméticos. Eu, me deliciando com narrativas ágeis e histórias bem contadas. Claro que isso gerava várias discussões, algumas delas agora generosamente registradas no livro. Ainda não li, mas só de folhear o opúsculo já percebi que a leitura vai trazer recordações de várias pessoas e de vários filmes da minha fase portoalegrense. #

[ 21:31 ]

Continuo num ritmo alucinado no trabalho, continuo acordando antes do sol nascer, continuo gastando noventa minutos para ir até Washington e noventa minutos para voltar para Alexandria, continuo dormindo pouco, e continuo achando que em breve as coisas vão melhorar. #

domingo, 10 de dezembro de 2006

[ 13:47 ]

Terminei de assistir a segunda temporada de House (24 episódios). Arranjaram um romance para o protagonista, com sua ex-esposa (a charmosa Sela Ward, de The Day After Tomorrow), o que serviu de pretexto para explorar um pouco o passado e as motivações do doutor. Eu acho que tantas explicações, muitas vezes enveredando pela psicanálise, acabam tirando um pouco a graça dos personagens. Um bom exemplo disto é o enfadonho livro A Insustentável Leveza do Ser, onde o Milan Kundera passa mais tempo psicanalisando o Tomas, a Tereza e a Sabina que propriamente contando a história. No caso de House, felizmente os roteiros não chegaram a esses extremos, e a narrativa continuou interessante. O último episódio, porém, funciona como um espécie de auto-análise alucinatória, com House tentando aplicar seus métodos indutivos e dedutivos dentro de um mundo não necessariamente lógico. Curiosidade: nesta temporada descobrimos que o bom doutor mora numa casa com o número 221B, o mesmo número da casa do Sherlock Holmes na Baker Street. #

sábado, 09 de dezembro de 2006

[ 22:48 ]

Ótimas palestras sobre ciência e religião disponíveis online: Beyond Belief. Tem Steven Weinberg, Sam Harris, Michael Shermer, Richard Dawkins, e muitos outros. #

[ 22:44 ]

Dicas do Scoble para atrair mais visitantes para o seu weblog: Help a San Jose Mercury News columnist blog. #

[ 11:29 ]

Esta manhã dei uma longa caminhada até a agência do correio para pegar um pacote, e apesar do sol estar brilhando a temperatura era de 20ºF (-6ºC) com sensação térmica de 11ºF (-11ºC). Agora esquentou e estamos com 30ºF (-1ºC). #

[ 11:27 ]

Esta semana trabalhei 65 horas. E a correria ainda deve durar mais uma semana, incluindo umas horinhas neste weekend. Na segunda metade do mês, espera-se que as coisas se acalmem. #

quinta-feira, 07 de dezembro de 2006

[ 21:53 ]

Oito idéias, ao som do Danúbio Azul, algumas um pouco polêmicas: The Eight Irresistible Principles of Fun. #

[ 21:49 ]

Desde o feriado de thanksgiving, muitas casas de Alexandria estão decoradas para o natal. Quando volto do trabalho vejo os jardins iluminados com figuras feitas com lâmpadas, com renas, trenós, papais noéis, duendes, ursos polares, e outras criaturas não identificadas. Uma casa perto da parada do ônibus tem até um carrossel girando com soldadinhos uniformizados de vermelho e preto. #

quarta-feira, 06 de dezembro de 2006

[ 22:28 ]

Washington Post: A Newspaper Chain Sees Its Future, And It's Online and Hyper-Local. "The mojos [mobile journalists] have high-tech tools - ThinkPads, digital audio recorders, digital still and video cameras - but no desk, no chair, no nameplate, no land line, no office. They spend their time on the road looking for stories, filing several a day for the newspaper's Web site, and often for the print edition, too. Their guiding principle: A constantly updated stream of intensely local, fresh Web content - regardless of its traditional news value - is key to building online and newspaper readership." #

[ 22:28 ]

New York Times: Have Camera Phone? Yahoo and Reuters Want You to Work for Their News Service. "Hoping to turn the millions of people with digital cameras and camera phones into photojournalists, Yahoo and Reuters are introducing a new effort to showcase photographs and video of news events submitted by the public. #

terça-feira, 05 de dezembro de 2006

[ 22:30 ]

Hoje a minha costumeira caminhada matinal de quinze minutos ladeira acima até a parada do ônibus foi feita com temperatura de 27ºF (-3ºC) e sensação térmica de 20ºF (-6ºC). E o inverno ainda nem começou. #

segunda-feira, 04 de dezembro de 2006

[ 22:02 ]

Hoje assisti uma palestra do pessoal da EchoDitto chamada Best Practices for Successful Blogging. O conteúdo principal era voltado mais para iniciantes no mundo dos weblogs, mas foi interessante captar algumas informações nas entrelinhas (que ferramentas estão usando para analisar o tráfego, que leitores de RSS preferem, quantos weblogs acompanham diariamente, etc). Experiência educativa. #

[ 21:39 ]

Nesta semana de correrias (ainda estamos na segunda-feira e já trabalhei trinta horas) tenho me alimentado basicamente de saladas (no almoço, num salad bar perto do escritório) e sopas (no jantar, latinhas de Campbell's Chunky Soup aquecidas no microondas). Hoje, porém, como não almocei (gastei os sessenta minutos do meu lunch break abrindo uma conta bancária), resolvi reforçar um pouco o jantar e comi um belo hamburger no Fuddruckers. O hamburger tem gosto de carne, as batatas fritas têm gosto de batata, e há uma boa seleção de molhos e acompanhamentos para escolher. Que diferença para redes de fast food como McDonald's ou Burger King! #

sábado, 02 de dezembro de 2006

[ 20:14 ]

Boa notícia: chegou hoje pelo correio o meu green card (que é branco e não verde, e que se chama permanent resident card e não green card). Foram três anos, dez meses e vinte e dois dias de espera. #

[ 19:58 ]

Agora estou com três computadores. O meu velho desktop PC, ainda desligado e encaixotado, esperando por um novo lar. O meu iBook G4, que me tem acompanhado fielmente nesta fase nômade. E agora um laptop Dell que a empresa reservou para meu uso e com o qual trabalho no escritório e em casa. #

[ 19:52 ]

Continuo atarefadíssimo. Hoje, sábado, trabalhei em casa a tarde inteira e ainda vou continuar um pouco mais durante noite. manhã, domingo, devo passar a tarde inteira no escritório. A parte boa disto tudo é que sou pago por hora de trabalho. #

[ 19:46 ]

Depois de uma semana de dias ensolarados e temperaturas amenas, ontem tivemos chuva e hoje temos frio, muito frio. Esta manhã fui dar uma caminhada até a lavanderia e o barbeiro, e tive que enfrentar 41ºF (5ºC). Brrr... #